05/12/2008

De onde vem a força?

A força de um pai.
A força do filho e da família, que tanto nos orgulha.


Um amigo meu perdeu o pai, depois de longos meses de redução de capacidades e depois o coma, provocado por uma meningite, uma pneumonia e uma trombose... Tudo junto.
Penso no meu amigo, não mais no pai.
Penso no que eu faria. Penso no que não conseguiria fazer e orgulho-me dele.
Bom... pensamos nós não ter força mas ontem ele contou-me um segredo: nestas alturas vem-nos força não se sabe bem de onde... mas vem!


Para mais informações, consultar em baixo o vídeo "Live with me" dos Massive Attack.

4 comentários:

pinguim disse...

Infelizmente parece que está a chegar um rol de doenças menos boas a amigos ou a pessoas importantes de amigos: o Catatau, o companheiro do Swear, a Mãe do Insenso, agora o Pai do teu amigo...
Não basta a vida difícil como está, porra!
Abraço e transmite-lhe força.

MrTBear disse...

Talvez da alma, para aqueles que acreditam que todos temos uma. Talvez de alguém de que nos lembramos apenas nos momentos difíceis....
quem sabe....

Abraços

gritomudo disse...

Que me desculpem...
Não vou facilitar a reflexão.
Não sei ser pacífico nas verdades.
Eutanásia é o tema que penso quando me vejo perante algumas situações.
Na Suíça, prestar ajuda a uma pessoa que quer se suicidar não é crime, se essa ajuda não é feita por motivos egoístas. É o que consta no artigo 115 do Código Penal Suíço.

Com base nesta norma mínima, a Suíça desenvolveu uma prática bastante liberal da assistência ao suicídio. A assistência é dada por organizações não-governamentais como Dignitas e Exit, que ajudam as pessoas que tencionam morrer.

É altura de Portugal iniciar a reflexão.
Não e altura para o explicar, mas eu não quero chegar ao ponto de não poder decidir, de ter que depender de outros.
Quero ser eu a ter a decisão.

GRITOMUDO

gaZpar disse...

pinguim: É o que tenho tentado fazer. ;-) De facto parece que anda por aí um mal geral... enfim. Obrigado e um abraço!

MrTBear: Sim. Da alma. Mas também dos amigos, das pessoas que gostam de nós. Felizmente ainda temos uns quantos que nos ajudam. Há quem não tenha ninguém... Obrigado e um abraço!

Gritomudo: Concordo com a Eutanásia em certas situações, desde que a pessoa tenha capacidade de tomar a decisão. Agora, numa situação de coma, quem toma a decisão? A família? Mas a família tem sempre esperança que a pessoa volte a acordar... E se não é a família, quem é? O hospital? E será que aí não entram decisões de gestão nada humanas? Uma cama de hospital vale dinheiro... por mais que não queiremos. É complicado. Concordo quando é a pessoa a tomar a decisão. Agora, quando tomam a decisão pela pessoa, quais são os critérios? Existe objectividade? Não sei... fica a reflexão...
Obrigado pelas ideias partilhadas!
abraço!