20/07/2005

Tenho uma melga no quarto

Image hosted by Photobucket.com

Tenho uma melga no quarto.
Tive de sair. Ela tornou-se dona e senhora dele.
Causa-me insónias e irritação.
Saiiiiiiii daquiiiiiiiiiiii... em linguagem de melga.
Que fiz para merecer isto? As janelas estavam abertas para a receber. Não tenho spray insecticida ou qualquer tipo de fúria esmagadora para com ela. Até do meu sangue lhe ofereci... involuntariamente.
Amanhã sei que acordarei com sono. Talvez picado. Todo o dia me lembrarei dela. Por ter sono e querer trabalhar. Por querer descansar e ter de coçar.
Como pode uma coisa tão pequena ter tanto poder sobre nós?
Talvez devesse ser melga... mais ainda.
Pelo menos assim podia voar.

2 comentários:

ubik disse...

Não surpreendentemente, costumo optar pela solução-em-que-não-se-mexe-o-cu(tm):

Com apenas as pontas dos dedos, tapo completamente o corpo com o lençol e espero que ela fique do lado de fora, zumbindo frustradamente (ou a melgar, se "zumbir" for propriedade exclusiva das abelhas e restante minoria de insectos bucólicos).

Acabo por sufocar com as minhas excreções gasosas e ter pesadelos sobre melgas do espaço armadas com probóscides freudianas.

A moral desta história:
Exalo.

ez disse...

Eu sei bem o que é ser um oásis para melgas! E o pior é que as marcas e a comichão permanecem cerca de duas semanas!
Quando me entra uma no quarto eu entro em pânico e não me deito enquanto não a encontro!!!